Moçambique e África do Sul

Moçambique e África do Sul

07-11-2013

Moçambique e África do Sul estão no radar da CME  
 
O grupo CME, que já tem projectos de energias renováveis em Portugal, Espanha e Brasil, quer alargar os seus horizontes e está a apontar a mira a dois mercados africanos. Na África do Sul, a CME pretende estabelecer parcerias para investir. Em Moçambique, o grupo já entrou mesmo numa licitação para um parque eólico.  
 
No caso da África do Sul, mercado que está a apostar no desenvolvimento de energias renováveis, a presença da CME está ainda a ser projectada "Estamos a analisar o mercado para estabelecer parcerias com entidades de 'private equity"', revelou ao Negócios o presidente da CME, José Reis Costa. O grupo português está a apontar para o  desenvolvimento de projectos de 100 megawatts (MW) até ao final de 2016.  
 
Mais avançada está a aposta da CME no mercado moçambicano. "Estamos numa licitação em Moçambique, para construir um parque eólico de 30 MW e contamos nos próximos meses apresentar a proposta", explicou José Reis Costa.  
 
Moçambique é, aliás, um país onde o grupo CME já ganhou alguns projectos. São os casos de uma instalação fotovoltaica de microgeração para o Ministério da Defesa, no valor de 50 mil euros, e de um estudo geofísico acompanhado da montagem de uma dezena de sistemas de bombeamento de água através de energia fotovoltaica para o Fundo Nacional de Energia, no valor de 450 mil euros.  
 
Para José Reis Costa, a aposta internacional da CME é reveladora das oportunidades que há lá fora. "Há mercados onde ainda é interessante investir fora da Europa", nota o gestor. E fundos de pensões e de investimento "têm grande apetência para financiar projectos de energias renováveis".

 

Fonte: JORNAL DE NEGÓCIOS